quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Bombeiro Civil a Categoria que Menos se Mobiliza no Brasil.

Mobilização, Participação e Envolvimento Fatores Inexistentes na Atividade.
A participação de todos! é essencial para a construção de um processo de mudança em prol de todos os grupos que compõe a vida em sociedade. 
Com a correta distribuição da participação social, as classes profissionais consideradas menos favorecidas, seja socialmente ou economicamente, possuem oportunidades de opinar e participar de decisões sociais importantes. 
Neste contexto, a participação social e coletiva envolvendo as classes profissionais torna-se um instrumento primordial para o funcionamento de um Estado Democrático e de Direito. 
Bombeiro Civil x participação: 
Já na questão que envolve os nobres Bombeiros civis de Todo o Brasil! Ainda em decorrência, do pouco período de existência da Profissão. Faz-se necessário, um trabalho voltado aos aspectos sociais, econômicos e legislativos que envolvem a atividade. 
Seria pura utopia, cobrarmos participação e envolvimento coletivo de muitos que não leem, acompanham e mal conhecem sua própria legislação. Neste caso, seria papel fundamental das entidades de classe fomentar a importância desta participação e principalmente, mostrar que sem ela as demandas, anseios aliadas, ao crescimento como atividade econômica reconhecida só será possível, através do envolvimento e participação social como classe trabalhadora instruída, preparada e organizada. 
Salvo algumas exceções tem sido evidente, a preocupação de entidades de classe voltadas a estas questões... Porém, em pontos sazonais do Brasil. Toda via, pode ser considerado muito pouco tendo invista, a pouca importância sobre o tema como também, a invasão numero logica crescente muitas vezes, sem uma boa previa formação de futuros prevencionistas. Muitos, sem perspectiva de colocação no mercado de trabalho... Mas que, no entanto, a cada ano engrossam estes números. 
Obviamente que de 2009 para 2017, mesmo que de forma heróica encabeçadas por algumas pessoas muitos avanços aconteceram entre eles: a criação da frente Parlamentar em defesa da Profissão Bombeiro Civil que através de suas representações estaduais tem conseguido trazer para o debate em nível nacional Questões que envolvem toda a categoria profissional. Toda via fica evidente, que estes avanços poderiam ser muito mais significativos se houvesse uma maior participação juntamente, com o envolvimento social e coletivo tão necessário, quando o assunto envolve a necessidade da participação dos Bombeiros Civis de Todo o Brasil! 
A extrema e urgente importância do envolvimento coletivo como classe profissional fica evidente, diante de uma recente pesquisa realizada de forma pioneira encomendada junto ao Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócios Econômicos) pelo sindicato de Bombeiros Civis da Paraíba. Que entre outros dados, mostram os números assustadores decorrentes da falta de respeito com a atividade profissional Reconhecida por Lei Federal em Varias Partes do Brasil. 
Segundo dados do Dieese além, de condições de trabalho não condizentes. Uma boa parte não possuem seus Registros relativos ao Código Brasileiro de Ocupações (CBO) Referentes ao da atividade 5171/10. Algo que não representa o numero real de profissionais em atividade com carteira assinada. 
Ainda em visitas realizadas a Empresas que contratam profissionais de Prevenção, o número de contratados passa dos 250 (duzentos e cinquenta), podendo chegar a um número bem mais elevado. Logo, mediante a pesquisa do Dieese, a Paraíba só possui 92 (noventa e dois) Bombeiros Civis registrados no CBO referente ao da profissão. 
O sindicato da Paraíba registrou ainda, um déficit na contratação, tanto dos profissionais num todo como de mulheres nas empresas assim como, nos salários e faixa etária. Onde deveria ter um quantitativo mínimo de: 02 (dois) a 10 (dez) ou mais profissionais contratados. A visita realizada constatou também, profissionais preventivos trabalhando sozinhos e em condições extremamente precárias. Sendo que os valores dos salários variam de empresa para empresa, podendo chegar a uma diferença de até 30% devido à falta de CCT (Convenção Coletiva de Trabalho). Já na Paraíba, diante dos dados, o sindicato vem propondo meios e soluções onde a quantidade de bombeiros formados já chega ao numero de: DEZ MIL, porém com poucas ofertas de oportunidades. 
Sem dúvida nenhuma, estes dados e comparativos ainda são muito mais Relevantes e preocupantes comparados a estados Maiores. 
Algo que mostra a extrema necessidade de mobilização, envolvimento e principalmente, mais Participação coletiva em busca dos objetivos de Todos!