quinta-feira, 1 de março de 2018

Dia do Bombeiros Civil é Comemorado na Câmara de São Paulo.

Nesta segunda-feira (26/2) o Salão Nobre da Câmara de São Paulo recebeu uma Sessão Solene em comemoração ao Dia do Bombeiro. Com iniciativa do vereador Eliseu Gabriel (PSB), o evento homenageou bombeiros civis da capital que se destacaram em suas atividades.
O Dia Municipal do Bombeiro Civil é comemorado no dia 1º de fevereiro, em lembrança ao terceiro maior incêndio do país, o edifício Joelma, em 1974. A data foi inclusa no calendário oficial da cidade através da Lei n°15.788/13, de autoria do vereador.
Também é de sua criação a Lei 16.312/15, que obriga a presença do bombeiro civil em estabelecimentos de reunião pública, educacional ou eventos em área pública ou privada que receba grande concentração de pessoas, como shoppings, casas de shows e espetáculos, hipermercados e universidades.
Eliseu gabriel
“A profissão de bombeiro civil é extremamente importante. Nós conseguimos ajudar muito com a Lei que obriga a presença desses profissionais em vários tipos de instituições. Nós conseguimos ajudar essa categoria por ela e pela população. Fazer esse evento significa lembrar e homenagear as pessoas que estão se dedicando a essa causa”, diz o vereador.
Galeno Rosa
Para Galeno Rosa, representante da Frente Parlamentar de Desenvolvimento da Profissão, é de grande relevância para a categoria ter esse reconhecimento. “Em São Paulo temos cerca de 20 mil bombeiros operando diuturnamente para garantir a segurança e o bem-estar da comunidade. Bombeiro significa prevenção, profissionais altamente capacitados para entrar em ação. Isso [a condecoração] contribui para que seja realmente importante essa questão”, conta.
Nelson Pedro Miguel
Para Nelson Pedro Miguel, conhecido como Miguel Bombeiro, fundador da primeira associação dos bombeiros civis do Estado de São Paulo e do primeiro sindicato da categoria, essa data é uma vitória para a classe. “É um grande reconhecimento pela década de existência do bombeiro civil. Antes não existia essa mobilização porque o número de profissionais era pequeno. Hoje a quantidade cresceu. Esse dia é uma vitória”, afirma.
Miguel também lembra a importância de um bombeiro dentro de empresas e estabelecimentos e relembra o caso da Boate Kiss, em Santa Maria (RS). “Talvez 242 mortes tivessem sido evitadas se houvesse a presença de bombeiros no local”.
Escola de Bombeiros
Em 2009, durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva, foi sancionada a Lei Federal 11.901, que reconhece a profissão do bombeiro civil para todos que exerçam uma função remunerada e exclusiva de prevenção e combate a incêndio.
A Lei também exige um curso de formação profissional, com carga horária de 210 horas, e determina que todas as escolas e instrutores sejam credenciados no Corpo de Bombeiros.
Ed Carlos Silva
Segundo Ed Carlos Silva, diretor da CTFB (Centro Técnico de Formação de Bombeiros) e presidente da Anb-Cibra (Associação Nacional Dos Bombeiros, Defesa Civil e Esportes no Brasil), o status que a Lei proporcionou é de extrema importância, além de outros avanços após sua sanção.
“O reconhecimento da profissão foi o primeiro passo, e a obrigatoriedade em parques, indústrias e igrejas fez o mercado de trabalho crescer e os riscos de incêndio diminuir”, afirma.
Segundo ele, a Escola cumpre o papel de formar um profissional qualificado. “Lá eles aprendem tudo sobre primeiro socorros, combate a incêndio e emergências. Temos de passar a informação de como eles devem se posicionar e agir como prevencionistas”.
Deise Vicente
Para Daisi Vicente, bombeira civil de Presidente Prudente e uma das homenageadas da noite, o significado desse reconhecimento é imensurável. “É uma realização fazer parte dessa categoria e ver a valorização da profissão. Como mulher, vejo que ainda há um preconceito muito grande. Num prédio, por exemplo, de dez profissionais, apenas uma é mulher. Mas estamos aí brigando, na luta”.
Além do vereador, compuseram a mesa o comandante-geral da Guarda Civil Metropolitana (GCM) Carlos Alexandre Braga, Bolívar Fundão Filho, Cristiano Vargas, Antonio Carlos Figueiredo, Edson Jesus, Galeno Rosa, Aparecido Cruz, Carlos Alberto Pinheiro dos Santos, Nelson Pedro Miguel e o coronel Daniel Augusto Ramos Ignácio, secretário municipal de Segurança Pública de Mairiporã.
fonte: camara.sp